Posted by
Dicas

No âmbito empresarial, poucos processos são tão rotineiros como a carga e descarga de caminhão. Com a popularização do e-commerce, algumas organizações comerciais chegam a exercer essa atividade até mil vezes por semana. Apesar de ser um procedimento comum, todo cuidado é pouco na hora de trabalhar. Os empregados que carregam e descarregam mercadorias devem ser instruídos para a realização de procedimentos seguros, que sejam adequados às substâncias que manipulam. Neste post, você vai entender melhor como são feitos os carregamentos e retiradas de materiais nos caminhões com segurança e proteção. Acompanhe!

Como é feita a carga e descarga de caminhão?
Antes de tudo, os veículos transportadores (especialmente os de carroceria aberta) são equipados com forros ou proteção para o assoalho, lonas, cordas, chapas de madeira ou outros materiais para fixação e proteção do material a ser levado. Embora existam vários tipos de cargas, a maior parte das mercadorias é geralmente envolta por cintas ou filmes plásticos, cantoneiras, caixas de chapas de papelão ou madeira de tamanhos similares. Isso facilita o seu deslocamento e empilhamento. Normalmente, esses pacotes são movimentados e acomodados na parte traseira do caminhão com o auxílio de carrinhos, paleteiras (pequenos veículos com ganchos, que se encaixam nos vãos dos paletes para locomovê-los), empilhadeiras ou guindastes para as cargas mais pesadas.

Nem sempre a movimentação das cargas pode ser feita de forma manual. A carga e descarga de caminhão deve ser feita em locais e horários próprios para isso. Diversos estabelecimentos oferecem docas ou terminais adaptados, feitos para que o veículo estacione em uma vaga com acesso facilitado para a transição das embalagens até o interior do depósito. Por outro lado, se o processo ocorre em um estabelecimento sem uma estrutura planejada, o processo geralmente requer o uso de esteiras elevatórias, ajudantes ou outros equipamentos, sempre evitando ao máximo o esforço físico envolvido no carregamento direto da carga.

No momento da entrega (seja do fornecedor para o caminhoneiro, seja do caminhoneiro para o estoquista), é feita a conferência das embalagens. Um profissional especializado verificará se o estado da carga está de acordo com o estabelecido comercialmente nos quesitos de quantidade, qualidade e higiene.

Qual é a norma regulamentadora que orienta a carga e descarga de caminhões?
A Norma Regulamentadora nº 11 (ou simplesmente NR 11) define as regras de segurança a serem levadas em consideração com relação à armazenagem, ao transporte e ao manuseio de diversos tipos de materiais. Outras normas como a NR 19 e NR 16 tratam do transporte de substâncias mais perigosas. Tão importante quantos as normas acima citadas, a  NR 35 estabelece que toda a atividade executada acima de 2,0 metros do nível inferior, onde haja risco de queda, necessita de um sistema de proteção contra quedas. A maioria das atividades de carga e descarga de caminhões no Brasil se enquadra nesta atividade com risco de queda.

Dentre as especificações da regulamentação na NR 11, todos equipamentos de transporte motorizados devem possuir sinal de advertência sonora (buzina) e limite de peso ou carga máxima permitida informados de forma visível no veículo, além de serem conduzidos apenas por profissionais treinados e/ou habilitados para aquela função. É importante lembrar que, em todas as estradas que percorrem o país, existem postos específicos para medição do peso dos caminhões. Sendo assim, quando houver a devida sinalização, a parada para pesagens da carga deverá ser obrigatória.

Essa fiscalização é importante para garantir a qualidade das cargas e assegurar o cumprimento das normas que promovem segurança não apenas do motorista do caminhão, mas também de todos os outros cidadãos que circulam nas mesmas rodovias, já que o excesso de peso dos veículos pode provocar desgaste excessivo nas estradas e acidentes perigosos.

Quais são os equipamentos de segurança necessários para a atividade?
Além de promover a realização de exames médicos e laboratoriais regulares para os trabalhadores que atuam com a carga e descarga de caminhão, as empresas de transporte contratantes devem garantir o fornecimento gratuito de equipamentos de segurança recomendados para esse tipo atividade que envolve principalmente risco de queda. O trabalho pode requerer a necessidade do uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) ou Equipamentos de Proteção Coletivo (EPC). Todos esses produtos devem possuir certificação e se encontrarem em boas condições de uso, dentro do prazo de validade determinado pelos seus respectivos fabricantes.

EPIs
Os equipamentos de proteção individual mais utilizados para essa função, além do EPI básico, são os trava-quedas retrateis , cintos e talabartes. Geralmente, esses três dispositivos atuam em conjunto para que o profissional consiga sair do piso e chegar até a parte mais alta do caminhão e retornar ao solo com segurança. Nesse caso, ele subirá, com ou sem escada móvel, por meio do uso de seu EPI conectado a um ponto de ancoragem devidamente identificado, que normalmente consiste em uma estrutura metálica apresentada em vários modelos, alturas e larguras diferentes.

Tudo vai depender de como a atividade será feita. Sendo assim, se ele tropeçar ou perder o equilíbrio, em qualquer momento da realização da atividade, bem como na subida ou descida, o trava quedas ou talabarte, devidamente conectados ao cinto de segurança, será acionado, retendo então a eventual queda. Dentro deste sistema de proteção contra quedas acima citado, o funcionário não sofrerá lesão ou cairá no chão.

EPC
Sistemas de Ancoragem móveis ou fixos são alternativas a serem avaliados pela empresa. Sistema de Ancoragem Fixo como Pórticos com trilhos ou cabos de aços é a tradicional solução. A empresa optante por esse Sistema terá de realizar um grande investimento em obra civil, sondagem de terreno, fundações, fabricação das estruturas, montagem além do custo adicional do downtime da área de onde será realizada a obra. Porem se a empresa necessitar de ter flexibilidade em seu pátio de manobras, ou passar por mudanças de layout, o Sistema de Ancoragem Fixo trará limitações.

O Sistema de Ancoragem Temporário tipo cavalete permite total flexibilidade de instalação e montagem. Ele se adapta em locais com ou sem estações de trabalho. Isto se aplica principalmente em docas de carregamento caminhões e vagões, carregamento de caminhões tanques e ente outros.  Pode ser utilizado dentro e fora das instalações da empresa e também pode operar no interior de galpões com pontes rolantes.

Esse tipo de equipamento atende ao determinado na NR 35 e também da NBR 16.325-1/2014 (Proteção contra quedas de altura: parte 1 – Dispositivos de ancoragem tipos A,B e D), além de possuir muita mobilidade e poder ser deslocado, conforme a necessidade, na área da carga e descarga. Pode ser adaptado a diversas situações e, até mesmo, ser customizado para um veículo de maior porte como vagões de trens ou caminhões ” fora de estrada “, com situações específicas que variam de empresa para empresa.

linha de vida

 

 

Como você pode perceber, o uso de equipamentos de proteção, principalmente contra o risco de queda, para a carga e descarga de caminhão é uma questão muito importante para a segurança e para a prevenção de acidentes de trabalho. Mesmo assim, muitas empresas admitem que conscientizar os trabalhadores sobre seu uso pode ser difícil. Para isso, é importante lembrar os funcionários de que sua saúde e vidas devem estar sempre em primeiro lugar.

Se os EPIs não são usados no local de trabalho, é hora de contatar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) ou até mesmo providenciar reuniões para conscientizar sobre a importância do uso desses equipamentos. Agora que você já sabe tudo sobre a proteção necessária para carga e descarga de caminhão, não deixe de adquirir apenas produtos certificados e reconhecidos pelo Inmetro e homologados pelo M.T.E. Entre em contato conosco para conhecer as nossas opções de EPIs bem como EPCs e surpreenda-se com a qualidade de nossos itens!